12 Anos de Escravidão

12-years-a-slave

12 Anos de Escravidão é dirigido por Steve McQueen, conhecido por abordar em seus filmes temas fortes, como em Fome (2008) e o polêmico Shame (2011). Ao ouvir esse título pela primeira vez, achei que se tratava de mais um filme comercial. Enganei-me completamente.  O diretor queria falar sobre a escravidão de uma forma mais realista, que ainda não tinha sido feita. O mais recente com essa temática é Django Livre, do Tarantino, que é mais um faroeste sangrento do que qualquer outra coisa. À procura de uma história ao qual se basear, McQueen encontra um livro lançado em 1853 com o título 12 Anos de Escravidão, uma autobiografia.

Para escrever o roteiro, John Ridley foi convidado. O roteirista provavelmente gostou tanto da ideia que se dispôs a escrevê-lo mesmo sabendo que não havia dinheiro na fase de desenvolvimento do projeto. Somente quatro anos após ter terminado o script é que houve um pagamento, com a entrada da Plan B do Brad Pitt para financiar o filme.

O filme conta a história de Solomon Northup, um homem negro, livre, violonista letrado, casado e pai. Nascido no estado de Nova Iorque, Northup residia com a família em Saratoga. Em 1841 ele foi atraído por dois homens para Washington sob uma falsa proposta de emprego. Lá foi embebedado a ponto de perder os sentidos. Ao acordar ele se vê acorrentado e sozinho. Solomon havia sido sequestrado e vendido como escravo, sendo traficado para o sul do país, onde foi obrigado a trabalhar em fazendas e em plantações de algodão na Louisiana. Ao longo de 12 anos foi submetido a todo tipo de tortura e humilhações, passou pelo domínio de donos cruéis e intolerantes tendo que negar seu nome e sua vida pregressa. Abordar um tema desses é complicado por se tratar de uma mancha na história da humanidade. Um assunto delicado, mas que precisa ser contado.

McQueen dirige Ejiofor.

McQueen dirige Ejiofor.

O personagem principal é vivido pelo ator Chiwetel Ejiofor. Um grande talento que vem recebendo muitos elogios pela crítica especializada. Esse papel lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor ator. Sua atuação é espetacular. Ele consegue dar uma veracidade assustadora ao sofrimento de Solomon, closes em suas expressões nos dão uma dimensão específica da dor a qual ele era submetido.

McQueen sabe exatamente o que faz, soube utilizar cada take, cada movimento de câmera brincando com o espectador. Em alguns momentos o diretor deixa de nos mostrar diretamente o que está acontecendo para logo em seguida nos chocar com o realismo de uma cena triste descrevendo o horror pelo qual centenas de escravos passaram.

A atuação de Michael Fassbender é um espetáculo a parte. Como Edwin Eeps, o senhor de escravos descontrolado, ele recebeu a indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante. Mais uma vez ele prova o excelente ator que é. Atuou em todos os três filmes desse mesmo diretor. Também fazem parte  do elenco Benedict Cumberbatch, Paul Dano, Brad Pitt, Paul Giamatti, Sarah Paulson e Quvenzhané Wallis. Essa última, para quem não lembra, ficou conhecida pela indicação ao Oscar de melhor atriz pelo filme Indomável Sonhadora em 2013.

Fassbender aterroriza Ejiofor.

Fassbender aterroriza Ejiofor.

12 Anos de Escravidão recebeu 9 indicações ao Oscar. As principais entre elas: Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator. O filme tem grande potencial para ganhar todos os prêmios aos quais foi indicado. Com um realismo impressionante, emoção do começo ao fim e sua mensagem de perseverança vivida por Solomon Northup.

 

Grande beijo!

Sobre Aysla de Oliveira

De essência ímpar, feminista, amiga, justiceira em tempo integral e mamãe da Mari.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para 12 Anos de Escravidão

  1. Carla Rhaíssa disse:

    Eu não sabia que este filme foi dirigido pelo mesmo diretor de shame!!! (Filme de assunto muito polêmico, só que achei que a história poderia ter mostrado mais o vício do cara)

    enfim, tô aqui pra dizer que achei o filme EXCEPCIONAL!!! poucos filmes atraem meu olhar pra fotografia, mas este não tinha como não perceber, a cada cena via uma fotografia perfeita (me diga que que uma das indicações foi melhor fotografia? eles ganharam esta com certeza não?). O mais perfeito foi a trilha sonora acompanhando algumas das fotografias, perfeito!!!
    nem precisa comentar que a atuação de cada um foi excelente (eu pelo menos achei) e o realismo das cenas é inncrível!!! muito viceral!!! a história muito boa, muito bem contada há uma continuidade de eventos!!!

    o que se pode dizer? este filme é incrível!! super indico

    • Aysla disse:

      Oi Carlinhaaaaaa! que honra ter comentários seus aqui!!! Venha sempre! E sim o filme foi indicado à melhor fotografia, porém o filme que levou esse Oscar foi Gravidade.

  2. Carla Rhaíssa disse:

    ah tenho uma indicação de filme pra vocês:

    Jogo de xadrez

    filme brasileiro que conta a história de uma presidiária brasileira abordando o dia a dia de lá, com criticas ao sistema carcerário além da impunidade dos colarinhos brancos.

    tem um final inesperado que não é o típico “feliz para sempre”, representando mais o que aconteceria numa realidade dura do brasil

    acho digno de divulgação pois não se ver nada de publicidade (ou muito pouco) e é um filme bem interessante (com cenas fortes também de violência)

    quero ler uma critica dele aqui, viu Aysla?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s