Épico? – Fúria de Titãs (2010)

Clash of the Titans

Dando continuidade à trilogia Sam Worthington, o filme da vez é o que muitos consideram o pior do astro. Fúria de Titãs é um filme do Louis Leterrier, o diretor de O Incrível Hulk e de Carga Explosiva 2. Fica bem claro que se trata de um realizador cujos esforços são focados em ação e porradaria.

O filme conta a história de Perseu, semideus da mitologia grega que é filho de Zeus. Ele perde os pais durante a ira de um dos deuses e sai em busca da salvação de Atenas do ataque de um dos monstros dos deuses.

Fúria de Titãs é um caso muito curioso para mim, pessoalmente. É impossível assistir ao filme sem perceber seus inúmeros defeitos, mas eu simplesmente adoro certos aspectos do roteiro. Perseu odeia os deuses por terem matado seus pais adotivos, mas descobre que é filho de um deles. Literalmente, odeia algo que ele tem em si. Por isso mesmo, sua jornada é uma jornada de negação. Ele busca renegar o próprio sangue.

Ao término do segundo ato, seus esforços parecem ter sido em vão, até que recebe a oportunidade de aceitar o deus que existe em si. Tem uma reflexão sobre saber utilizar uma herança negativa em nome de algo maior.

Mas é aí que acabam as qualidades. Leterrier faz cenas de ação confusas no filme que provavelmente possui o pior 3D já feito até hoje. O que significa que é quase impossível compreender o que acontece na maioria das cenas. Existe uma preocupação em se focar mais na ação que na história e no desenvolvimento do personagem. Sem contar com o desfile de clichês ilógicos.

Ainda assim, Fúria de Titãs é um épico. A escala é grandiosa, contando com escorpiões gigantes e um monstro marinho imenso. A história se passa numa Grécia fantástica e a discussão sobre valores morais é uma das qualidades da produção. Todos os elementos que compõem épicos estão ali.

Para construir essa grandiosidade, a Warner gastou 125 milhões de dólares aproximadamente com o filme. De ter sido o dinheiro necessário para construir uma criatura tão magnífica quanto a Gemma Arterton, o melhor efeito especial do filme.

Gemma-Arterton-Woman3

O orçamento garantiu qualidade?

De forma alguma. Os efeitos do filme são muito bons, mas a direção de Leterrier não permite compreendê-los plenamente em tela. As grandes qualidades do filme estão no roteiro (que não é uma grande maravilha) e na beleza da atriz principal. Duas coisas que certamente não foram as mais caras da produção.

 

GERÔNIMOOOOOOOOO…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Épicos e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s