Grande Hotel Budapeste

The-Grand-Budapest-Hotel-Still

Wes Anderson está de volta aos cinemas. Um dos grandes narradores do audiovisual apresenta sua nova produção com os mesmos temas de sempre, mas com contexto e história completamente novos. Como sempre, um filme do Wes Anderson é sempre uma excelente notícia.

Escritor conhece um misterioso dono de um hotel em um país fictício durante sua estadia no lugar. Curioso quanto à figura, aceita um convite para um jantar para ouvir sua história. Antes de ser o dono do local, ele começou como um mensageiro que se envolveu em uma trama complexa de assassinato, conspiração e guerra.

Os filmes de Anderson tendem a girar ao redor de temas comuns que nem sempre são o foco das tramas. Se Os Excêntricos Tenenbaums era principalmente sobre paternidade e Moonrise Kingdom era sobre amor na juventude, Grande Hotel Budapeste foca em uma visão romântica do mundo. Talvez um romantismo que não tenha mais lugar em tempos modernos, mas que pode fazer desses tempos muito melhores. Pelo menos de acordo com o próprio filme.

Todos os temas estão em todos os filmes, mas a cada produção o foco é um específico. Se o mensageiro Zero (Revolori) é o protagonista do filme, seu patrão, mestre e concierge do hotel, M. Gustave (Fiennes) é a figura principal. A história de Zero não é apenas sobre o hotel, mas sobre a figura paterna que lhe ensinou sobre cavalheirismo durante uma guerra cruel. Gustave é um perfeito gentleman que advoga falando sobre como a boa educação é a resposta adequada para todas as formas de grosserias, mas não consegue segurar um palavrão ou uma gíria obscura da Inglaterra quando faz alguma pesada alegoria envolvendo urina e animais.

3027812-inline-i-6-adam-stockhausen-grand-budapest-hotelZero e M. Gustave. Cavalheirismo e lirismo no horror da guerra.

Anderson reprisa seu estilo único de direção. A simetria é regra geral, com planos capturando os atores diante de fundos equilibrados com grande angulares. A direção de arte elaborada exige a construção de cenários repletos com contrastes entre cores quentes e frias, sempre mantendo a saturação entre as duas. Quando o vermelho é berrante, o azul dá lugar para o roxo. Quando o azul fica com tonalidade clara, o vermelho vira rosa. Tudo capturado com uma fotografia cuidadosa que cria uma leve sensação de neblina nos ambientes. O resultado é um visual muito específico do diretor, que se restringe aos planos simétricos com giros de câmera de noventa graus e zooms oculares que saem do estático para o acelerado.

Dentro dessa auto restrição, Anderson conta suas histórias colocando e tirando elementos nos diferentes níveis de profundidade dos enquadramentos e fazendo cortes sugestivos. É incrível ver como ele cria a ambientação que quiser com apenas estes recursos. Tira um personagem de enquadramento e sugere que morreu na outra cena, deixando o espectador temeroso por ele. Mas o mais impressionante é como faz um universo caricato, com um humor típico de animações. Seja com o M. Gustave soltando uma fala óbvia diante da polícia antes de sair correndo sem que ninguém entenda a situação. Seja com as inúmeras sequências de perseguição que contam com animação em stop-motion, maquetes e outros elementos que são propositalmente falsos.

A ideia é clara. O universo de Grande Hotel Budapeste é quase como o de um conto de fadas, onde nada é real, mas condizente com a fantasia ali representada. Mas o tom de leveza não o impede de ter malícia ou de representar temas mais pesados. Quando mostra um casal passando pela inocência do primeiro amor, não esconde a sexualidade que existe ali. Tampouco esconde as referências à Alemanha ao contar a história do começo de um governo fascista pré-guerra no país fictício. Os personagens soltam expressões bem colocadas em alemão, os vilões são retratados com maquiagem e jogos de luzes do Expressionismo e a polícia cada vez mais militarizada é retrato dos nazistas.

Diante dessa representação sombria da guerra, o romantismo e o floreio de Gustave e suas companhias servem como um contraste de um mundo idealizado que já se foi na dura realidade na qual a civilidade se deixa apresentar em pessoas raras.

Talvez seja o filme que carrega mais na comédia em toda a filmografia do diretor. O humor é construído através dos contrastes. Numa das melhores cenas, Gustave acha que vai morrer e começa a declamar uma poesia. Porém é salvo de súbito e reage com um palavrão de surpresa. Passa do poético para o sujo em segundos e com ironia. O problema é quando suas gags visuais se estendem demais. Algumas das sequências que brincam com seus contrastes demoram bastante e chegam no limite de cansar o espectador. Acabam deixando o filme muito mais longo do que era necessário e desviando a atenção da trama de assassinato principal.

Ralph Fiennes dá uma de suas melhores interpretações em toda a sua carreira como o encantador M. Gustave. Ele domina todas as cenas em que aparece, carrega o filme nas costas e dá o tom para toda a obra de duplos sentidos. Ele está constantemente acompanhado do estreante Toni Revolori, como o narrador Zero. Revolori pode não ter a experiência do resto do elenco, mas integra maravilhosamente o estilo da produção. Fechando o trio principal, a Saoirse Ronan é o par romântico de Zero, que é adorável em sua normalidade. Os vilões de Adrien Brody e do Willem Dafoe são referências a personagens do clássico Nosferatu (ironia ainda maior depois da participação de Dafoe em A Sombra do Vampiro). Ambos estão brilhantes.

wenn_t_grand-budapest-hotel-photocall020614kDa esquerda para a direita. Willem Dafoe, Edward Norton, Tilda Swinton, Anderson, Ralph Fiennes, Toni Revolori, Saoirse Ronan e Jeff Goldblum escutam o que Bill Murray tem a dizer.

É apenas um dos grandes talentos de Anderson. Todos os atores em seus filmes são sempre ótimos e ele sempre revela lados novos de grandes astros. Acompanhando os atores principais segue um elenco que conta com nomes estrelares como Jeff Goldblum, Tilda Swinton, F. Murray Abraham, Mathieu Amalric, Harvey Keitel (hilário), Jude Law, Bill Murray, Edward Norton, Jason Schwartzman, Léa Seydoux, Tom Wilkinson, Owen Wilson, Bob Balaban. Todos mostram o porquê de suas famas mesmo em papéis ínfimos.

Grande Hotel Budapeste é, como grande parte da obra de Anderson, uma das grandes obras cinematográficas modernas. Talvez apenas mais um capítulo na filmografia de temas que se repetem de forma cíclica. Se todos os filmes fossem capítulos como este, não haveria porque ter medo de ir ao cinema e descobrir que o ingresso pago foi para uma obra ruim.

 

FANTASTIC…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Grande Hotel Budapeste

  1. Dany Graziani disse:

    Adorei esse filme! E suas críticas estão cada vez melhores…parabéns!!

  2. Pingback: Grandes filmes de 2014 | Aquela velha onda.

  3. Pingback: Grande Hotel Podcast – Os Oscares | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s