A História sem Fim

12_neverending_story_blu-ray

Em 1984, o diretor alemão Wolfgang Petersen lançava seu segundo grande filme internacional. O sucesso de O Barco abriu as portas para que ele pudesse filmar a adaptação do livro A História sem Fim. O resultado é este filme curioso rememorado em sessões do Clássicos do Cinemark nesta semana que passou.

Bastian é um menino que perdeu a mãe recentemente. O pai é distante e não possui amigos na escola. Por isso se reclui em livros de fantasias que o permitem escapar de sua realidade cruel. Ao fugir de alguns colegas que querem prendê-lo em uma lixeira, Bastian acaba entrando em uma livraria estranha. Ele rouba o livro que o dono do lugar está lendo pois este diz que ler aquela história seria perigoso.

Nada grita mais anos oitenta que pop-rock feito de sintetizadores como fundo para um moleque vestido de índio voando em cima de um dragão branco com cara de cachorro com um chroma-key óbvio. O filme é uma daquelas aventuras fantásticas infanto-juvenis da década. Menino parte mimado, parte trágico que sofre bullying. Checado. Inserção do protagonista em terra de fantasia com criaturas que vão do abominável para o fofo exagerado. Checado. Música tema chiclete de banda de um único sucesso com direito a sintetizadores no último volume. Checado. Se tivesse um brucutu na trama, seria a melhor representação da época.

Logo de cara, é preciso dizer, A História sem Fim é um péssimo filme. A direção de Petersen se foca completamente no design. E como ele também é roteirista, a história sofre com isso. O desenvolvimento da história a partir do início do segundo ato não faz sentido, a apresentação dos personagens e das situações é porca e grande parte do que acontece no clímax não tem nenhuma relação com metade dos eventos. O personagem principal dentro do livro recebe uma missão e passa a primeira meia hora de filme andando por terras distantes sem objetivo, daí ele se perde. Então um Dracus Ex Machina surge e ele se encontra. São uns quinze minutos sem rumo feitos apenas para ter uma cena bonitinha de um cavalo morrendo e uma tartaruga gigante. Os dois por si só não são realmente importantes, mas o design relacionado é tão maneiro que Petersen não se importa se está envolvendo o espectador na história.

vlcsnap5610317Desenho de produção muito doido.

É terrível nesse sentido. Mas o desgramado está certo. O design desse troço é tão legal e rico e cheio de cores e efeitos que envelheceram mal e dragões brancos com cara de cachorro e torres de marfim e personagens com maquiagem extremamente bem feita e torres de marfim e zaz, zaz. É uma loucura tão grande constantemente se reinventando visualmente que foda-se a história. Foda-se a direção de merda. Foda-se que é uma bosta. É um filme imaginativo que faz quem está assistindo simplesmente curtir cada merda criativa apresentada. Honestamente, se tem algum problema sério aqui é que a produção se demora demais na história. Quando ele pára de mostrar coisas iradas pra focar em diálogos e no roteiro estúpido, o filme fica chato.

Então o terceiro ato surge e é extraordinário. Os dois protagonistas se fundem e, assim como Bastian faz parte do universo do livro que está lendo, sugere-se que o espectador é parte do filme. Daí Petersen faz seu primeiro acerto como diretor de cinema. Filma a mocinha a ser salva discursando para Bastian/Atreyu com a menina olhando para a câmera. Quebra a quarta parede para deixar claro que o espectador também é o protagonista da bagaça. Fazer isso depois do delírio que foi todo o resto da produção é o mais próximo da sensação de usar drogas que o cinema já conseguiu induzir.

De toda essa viagem alucinante, é preciso falar mal do excesso de sexualização na trama. Tem estátuas com seios gigantes expostos e a princesinha a ser salva, uma menininha, tem uma maquiagem extremamente sexualizada.

The-NeverEnding-Story-the-neverending-story-690114_720_545Atreyu e a princesa criança sexualizada.

Da bagunça toda, só o filme, seu universo e o diretor se tornaram famosos. Nenhum dos atores e nem a banda que toca a música tema são memoráveis. Mais tarde descobri que o filme termina aproximadamente no primeiro terço do livro original, o que de certa forma explica a existência das duas continuações. Mas não precisava de mais nada. A viagem alucinógena que é A História sem Fim não precisa de história, basta subir os sintetizadores e ver aquela porcaria de dragão que mais parece um espermatozóide voador em meio a nuvens bizarras que a loucura que os anos oitenta foram toma conta de quem está vendo esse filme… Curioso.

 

ATREYUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU..!

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s