Websérie Antiheroes

10617001_302881353224175_2144396924_n

Cracked é um site de cultura pop norte americano cujo diferencial é fazer zombaria com os óbvios problemas nas lógicas de filmes, histórias em quadrinhos, videogames, música e até tecnologia. Em certo ponto da história do site, eles fizeram um canal no youtube onde criam pequenas conversas entre personagens sobre os mesmos problemas dos quais zombam nos textos. Tudo, é claro, com uma dose de fantasia, ironia e um pouco de efeitos ruins. De repente eles começaram a fazer alguns vídeos comentando sobre esta websérie que estavam produzindo.

Quatro funcionários de uma empresa de telemarketing noturno saem para fumar durante o expediente e testemunham um evento astronômico que altera os seus DNAs. Com poderes adquiridos, eles precisam lidar com os problemas que invisibilidade, capacidade de ler mentes, imortalidade e telecinésia criam em suas vidas pessoais.

Nada de grandes conflitos existenciais colocados em paralelo a alguma trama mirabolante de bandidos. Nada de super crimes, vilões e grandes cenas de ação. Muito pelo contrário. Ter os poderes não é agradável, causa diversos desconfortos e apenas atrapalha a rotina deles. Antiheroes não é feito para tratar de poderes aliados a responsabilidade, justiça, vigilância ou qualquer clichê típico de filmes de heróis. É para ser um comentário sobre as incoerências desses tipos de produção.

Tudo remete às técnicas de filmagem de filmes com pessoas poderosas. Fotografia colorida e apoteótica, movimentos de câmera que elevam os personagens e muitos efeitos especiais, alguns bons e outros ruins. Tudo isso para filmar um beberrão se divertindo ao descobrir que cospe fogo, uma mulher de ressaca lidando com os barulhos excessivos das mentes alheias e um canalha abusando da invisibilidade.

As partes fantásticas da série são absurdas e beiram a estupidez. Um deles fica com cara de demônio, a causa dos poderes é tão aleatória que parece abstrata. O que é proposital, o mesmo se dá em filmes de heróis. Quem já ouviu falar de mutação genética que faz pessoas soltarem raios pelos olhos? Ou homens que ganham habilidades de aranhas, mas só as boas? Nada de teia saindo pela bunda, nada de oito olhos na cara ou nenhuma bizarrice que certamente surgiria dessa transformação. A série mostra justamente como os poderes não são apenas as coisas lindas e positivas que os grandes heróis de quadrinhos sempre têm. Tudo com bastante humor e zombaria, é claro.

Para quem tem algum interesse em assistir à série, os cinco episódios da primeira temporada se encontram abaixo.

Episódio 1 – Great Superpowers are a Huge Pain in the Ass

Episódio 2 – Why Invisibility is the Worst Superpower

Episódio 3 – Why You Shouldn’t Get Drunk with Superheroes

Episódio 4 – How the Government would Actually Treat Superheroes

Episódio 5 – Why Superhero Stories Don’t Need a Villain

FANTASTIC…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Dica, Série e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s