A Bela e a Fera (2014)

kinopoisk.ru

O Christophe Gans é um diretor diferente. A carreira do francês se resume a quatro filmes contando com este. Todos eles fora do padrão ao qual o cinema de seu país de origem corresponde. Suas obras envolvem ação, efeitos especiais e visuais inventivos. Quando foi revelado que a nova versão de A Bela e a Fera seria dele, a curiosidade tomou conta.

Quando seu pai é ameaçado a se entregar para uma criatura na floresta, Bela (Seydoux) se oferece em seu lugar. A tal Fera (Cassel) busca conquistar seu amor por algum motivo desconhecido. Enquanto lida com o sequestrador, ela se preocupa com outra ameaça a sua família, o agiota Perducas (Noriega), para quem seu irmão deve muito dinheiro.

Nada de cenas musicais, mobília viva ou a típica sutileza da Disney. Gans faz o filme com sua usual prolixidade. Se algo acontece na história, ele mostra e ponto, mas sem nunca perder o tom de filme infantil. Sem medo de expor algumas coisas mais adultas para as crianças, o diretor acaba sendo mais infantil que a animação que concorreu ao Oscar.

Gans mostra nudez (bem rápida e leve), algum nível de violência e, eventualmente, uma ou outra cena de terror. Não são exatamente características de filmes para crianças. Se um personagem morre, essa morte acontece na tela. As cenas são rápidas, explicativas e de fácil compreensão justamente para as crianças. É difícil dizer o que é adequado para menores, mas neste caso certamente abre espaço para discussão.

O roteiro sofre do mesmo grande problema do filme de 1991. A trama sobre uma jovem que se apaixona por um monstro que a sequestrou levanta alguns temas bastante adultos. Em um filme infantil, tudo é reduzido a algumas explicações pela metade e uma péssima construção narrativa. O filme de mais de vinte anos tinha a vantagem de fazer isso através de músicas. Aqui tudo é fechado com uma cena de dança inventiva, mas curta, e uma cena de perigo.

la-belle-et-la-bete-photo-529db018485d8Bela observada pela Fera. Questões complexas para filmes infantis.

A brincadeira de Gans é o visual. Tudo no filme é desculpa para enquadramentos extraordinariamente belos. É de cair o queixo como ele brinca com a direção de arte muito detalhada, a fotografia de tonalidades baixas no mundo real e altas no reino de fantasia da criatura e os efeitos computadorizados. São planos atrás de planos que poderiam ser facilmente transpostos para uma moldura.

O Vicent Cassel é um homem tão feio, mas tão feio que fica mais bonito quando está com a maquiagem do monstro. Em versão humana, chega a assustar um cachorro com sua carranca. A Léa Seydoux faz jus ao nome de sua personagem. Sem as madeixas azuis que a deixaram famosa em Azul é a Cor mais Quente ela fica ainda mais bonita. Já o Eduardo Noriega é uma grata surpresa como um vilão estereotipado sem deixar o maniqueísmo do roteiro fazer com que sua interpretação seja exagerada.

La-Belle-Et-La-Bete-image-la-belle-et-la-bete-36223695-756-586Vincent Cassel como príncipe. Feio como uma fera.

Com um roteiro fraco e ritmo cansativo, A Bela e a Fera não acrescenta nada ao que já foi realizado anteriormente. Como representação de visuais, entretanto, o filme é uma sucessão de grandes imagens que pelo menos distraem. Também vale por como não esconde certas coisas das crianças, o que eu, pessoalmente, acho interessante.

 

P.S.: Uma das melhores coisas de filmes franceses é que às vezes se escuta a seguinte expressão neles

ALLONS-YYYYYYYYYYYY…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s