Na sala – Os Excêntricos Tenenbaums

 Sneakdan Fotografias-18Foto por Carlos Eduardo Júnior. https://www.facebook.com/SneakdanFotografia

No longínquo março de 2002, doze anos atrás, fui assistir a Os Excêntricos Tenenbaums no cinema. Na época, o Cinemark do Taguatinga Shopping era relativamente recente e ainda não havia tecnologia para que todos os filmes fossem lançados com dublagem. Então, para quem procurava, era possível encontrar filmes legendados com facilidade naquele multiplex.

Não sabia quem era Wes Anderson nem o que esperar daquele filme. Apenas tinha ouvido falar bem e fui conferir. Rapidamente o estilo me cativou. Dividir a história em capítulos, a palheta de cores, os enquadramentos e, acima de tudo, o enfoque nas ações e não nas emoções.

Esse mesmo foco foi a razão pela qual as duas adolescentes que estavam na mesma sala que eu odiaram o filme. Como estávamos apenas os três na sala, elas se viam no direito de conversar em voz alta. Sempre que eu me pegava surpreso ou impressionado com alguma coisa nova que Anderson colocava na tela, ficava um pouco chateado com os comentários maldosos da garota no mesmo espaço que eu.

Em grande parte do tempo, ela reclamava da falta de reação dos personagens. Como eram idiotices as tentativas de assassinato, suicídio e de remediação de erros. O que mais a incomodava, entretanto, era a participação do Luke Wilson.

Quem assistiu ao filme sabe que o personagem de Wilson é um tenista brilhante apaixonado pela irmã adotiva, depressiva e mórbida. Ele também é o personagem com cabelos e barbas desgrenhados e longos. Quando chegou ao ponto da trama em que ele protagoniza minha cena favorita do filme, o personagem vai ao banheiro e corta de forma amadora os cabelos e a barba para tentar o suicídio logo em seguida.

Eis que minha colega de espaço reage à cena com o seguinte comentário: “Quando o cara fica gato, ele se mata.”.  Fiquei completamente fascinado com a capacidade daquela pessoa de percepção fílmica. Ela está vendo uma obra com temas complexos relacionados a sentimentos velados e universais e sua reação é ficar incomodada que o Luke Wilson está feio e é apaixonado por uma mulher que não se cuida muito bem.

Não foi a primeira, nem a última, vez que o público do Taguatinga Shopping polui uma sessão de um grande filme pra mim. Hoje, com todos os cinemas convertendo para projeção digital, todas as sessões do shopping são dubladas e contam com filmes que se distanciam da qualidade de diretores como o Wes Anderson.

Depois de doze anos de estudos e até de envolvimento com cinema, o Taguatinga Shopping deixou de me ter como cliente direto. O que é muito ruim para mim porque é o cinema mais perto da minha casa. O que me faz locomover quilômetros para assistir a bons filmes legendados. Felizmente, quando o shopping era centrado em filmes legendados, eu era adolescente e passava muitas de minhas tardes assistindo a longas nele.

 

ALLONS-YYYYYYYYYYY…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Bizarrices, Desabafo e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s