1001 Filmes #19 – A Roda

la_roue_1923

Miséria pouca é bobagem. A frase nunca foi tão apropriada quanto no caso dos personagens de A Roda. Melodrama por si só não é determinante de filmes ruim, mas neste caso a tragédia vai a tantos extremos que o filme inteiro daria sozinho uma novela televisiva.

Sisif (uma referência direta ao mito de Sísifo) é um engenheiro de trens brilhante que salva uma menina orfã depois de um acidente. Preocupado com a criança, a leva para criar como irmã do filho único, chamado Elie, da mesma idade. Ele cria os dois sozinho, a esposa morreu no parto do menino, e a batiza de Norma. Com o passar dos anos, Norma e Elie se tornaram adultos. Sisif, porém, vive em desgraça ao perceber que está apaixonado pela mulher que a garota virou e que sente ciúmes da relação que ela desenvolveu com Elie. Os dois não sabem que não são irmãos e criaram uma grande intimidade entre si.

Só por isso já seria um melodrama gigante, mas reviravoltas continuam a ocorrer e o sofrimento do trio nunca acaba. O exagero dessas reviravoltas resulta em uma trama que prende a atenção. É impossível não se perguntar o que diabos vai ser daqueles três desgraçados. Essa atenção, no entanto, não é completamente positiva.

la-roue_218547_46945Sisif sofre. Vida lazarenta.

O roteiro nunca dá descanso para a tristeza e não recompensa nem os personagens ou os espectadores. É tanta tragédia que as reviravoltas param de chocar. A cada desgraça nova o filme fica mais ridículo. Se houvesse algum descanso nessa mistura, os males que se abatem sobre eles seriam mais incômodos. Por outro lado, esse ridículo fica divertido. É engraçadíssimo pensar em qual vai ser o próximo grande problema que irá colocá-los para baixo.

Tudo isso não seria muito pesado no ritmo se o filme não tivesse quatro horas e vinte de duração. É comprido pra caramba e muitas cenas são mais extensas do que precisam ser. Para piorar, a obra ficou perdida com o passar dos anos desde o lançamento original e foi reencontrada aos pedaços. Eles foram reunidos nesta edição sem perder a lógica da história. Com todo o material original, a duração era de nove horas. Se, com quatro horas, o filme já é cansativo, com mais cinco deve ser muitíssimo chato.

la-roue-window

Norma assiste o irmão tocar violino. Amor mais que fraternal.

Tendo dito isso, ele entrou na lista dos 1001 filmes por algum motivo. E o fato é que eles tiveram um motivo ótimo. A Roda abre com uma cena impressionante, para o ano de 1923, de um acidente de trem. Tudo realizado com montagem acelerada e repleta de cortes. Esse domínio técnico se apresenta pelo resto da produção. Para não ter que explicar as dores emocionais dos personagens, a edição sobrepõe imagens. Em uma belíssima cena, Elie, apaixonado pela irmã, a vê pela janela no lugar da linda paisagem. Ele é incapaz de usufruir da beleza da vida por causa do trauma. Melhor ainda é como coloca uma roda de trem que gira ao redor de Sisif sempre que este sofre. Essa sobreposição aumenta mais a relação do personagem com o mito grego.

Caso se sinta com vontade de encarar esse monstro e acompanhar os tormentos dos três, dê o play abaixo.

FANTASTIC…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em 1001 filmes e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s