Fora do cinema – Piloto de House of Cards

House-of-Cards

Existe uma regra que qualquer fã de séries de TV inteligente deve saber. O piloto (o primeiro episódio) de um seriado não reflete o valor de todo o material. Normalmente eles recebem mais dinheiro e mais tempo para a realização. O melhor diretor envolvido com a produção realiza e determina como deve ser o tom de todo o resto do show. Em alguns casos, a série tem um diretor espetacular de cinema como o David Fincher em House of Cards.

Frank Underwood (Spacey) é um congressista americano que foi importantíssimo para a campanha do recém eleito presidente dos Estados Unidos. Em troca, esperava ser nomeado Secretário de Estado. Como ele é tão bom e influente, a nova administração decido mantê-lo como ferramenta no congresso. Frank decide, então, ensinar para todos o que acontece com quem não cumpre o que promete.

O piloto dá o gancho para qual vai ser a jornada de Frank através da série. Uma grande manipulação em cima de todos os cargos políticos para conseguir o cargo que sempre sonhou sem arruinar as políticas públicas. Impossível não pensar na ironia de Maquiavel. O autor escreveu o livro O Príncipe, no qual discorre sobre como os políticos devem ser frios na hora de tratar o povo em nome do bem deste mesmo. Por conta disso, surgiu o adjetivo “maquiavélico”. Mas é difícil não concordar com as coisas que ele diz. Da mesma forma, diversas das coisas que Frank faz não são realmente ruins para a população.

FrankEyeContact2-e1359996333970Manipulação nos bastidores. Frank revela onde se encontra na escala de poder.

O roteirista Beau Willimon, que também escreveu o maravilhoso suspense político Tudo pelo Poder, abre com uma cena extraordinária. Um cachorro foi atropelado diante da casa de Frank. Quando o encontra, o personagem percebe imediatamente que o animal vai morrer e que se trata do bichinho do vizinho. Ao mesmo tempo em que toma as medidas para que o vizinho se sinta melhor e o atropelador seja preso, ele mata o cachorro para acabar com o sofrimento. Enquanto faz isso, Frank dialoga com a câmera. “Há dois tipos de dor, a que nos torna mais fortes e a dor inútil. A que se reduz a sofrimento. Não tenho paciência com inutilidades.” Com esta cena rápida e simples, explica-se quem é Frank. Ele é frio, calculista, tira vantagem em cada situação e se importa em um nível perturbador. Esse é um exemplo de como um bom roteirista trabalha. Com uma ação e poucas falas que não são expositivas, compreende-se o personagem.

Frank continua dialogando com a câmera. Em certa cena ele tem uma troca com uma secretária. Ela propõe uma coisa e, antes de responder, Frank lança uma rápida olhada para a câmera. Ele pede que o espectador literalmente preste atenção nisso que aconteceu. Ao término da cena, Frank explica para o espectador exatamente o que aconteceu. Quando ele manipula, por outro lado, parece estar sempre de costas para quem assiste. É a hora de ver como ele faz o jogo melhor que o resto. Ele o faz sempre com pequena falas que dizem muito com analogias simples. “Amo essa mulher mais que tubarões amam sangue.” demonstra como o relacionamento com a esposa é de medo, controle e verdadeira admiração mútua.

house-of-cards-trailerDetalhes azuis emolduram Frank. Por trás de todo grande homem…

Fincher é um diretor detalhista e o episódio retrata isso muito bem. Focos profundos em ambientes sem luz de complemento e direção de arte limpa. É tudo belo, soturno e elegante, mas sempre com coisas escondidas. Em certa cena, dá valor para como um copo se movimenta pelo cenário enquanto troca de mãos entre os personagens. O foco nunca perde o objeto mesmo quando este se move rapidamente sobre uma mesa. Para acertar isso precisamente, deve ter levados algumas dezenas de takes. Fincher sempre deixa Frank perfeitamente arrumado. Cabelo penteado, roupas alinhadas e elegância impecável. A gravata sempre azul ou a camisa social azul. A cor não é símbolo dele, mas da esposa. Demonstra como todas as atitudes dele são feitas em grande parte por conta dela. Tanto que ela é quem o força a se restabelecer novamente após ser enganado pelos colaboradores. Ao perder as esperanças por apenas algumas horas, ele se senta perdido. A única vez em que os cabelos se bagunçam e ele parece verdadeiramente vulnerável.

Nota-se a capacidade dos realizadores de criarem um material audiovisual de qualidade, com valor de cinema dos bons. Nada como a maioria das séries que contam com bons conflitos e qualidade baixa. Não sei como isso vai desenvolver pelos próximos episódios, mas esse piloto é simplesmente brilhante e merece ser visto.

 

GERÔNIMOOOOOOO…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s