O Grande Ditador

91HHs3Kb75L._SL1500_

Tenho receios muito fortes sempre que vou a um evento assistir a um grande clássico. Primeiro porque tenho medo de não compreendê-lo e não gostar. E segundo das pessoas presentes não conseguirem curtir a beleza de uma obra porque ela envelheceu. Na abertura da mostra Cine UniCEUB (da qual sou um dos organizadores), tive a segunda oportunidade de ver como o público reagiria a O Grande Ditador.

Após a Primeira Guerra Mundial, Adenoid Hynkel (Chaplin) toma controle sobre o país europeu Tomânia e começa uma caça aos judeus com o ideal de um mundo apenas de arianos. Entre os judeus do país, encontra-se um barbeiro idêntico ao ditador. Hynkel pretende atacar o país vizinho, Osterlich, para começar a tomada global ao mesmo tempo em que o barbeiro planeja fugir para lá com a namorada.

O Grande Ditador foi uma sátira ousada à política internacional. Realizado em 1940, em plena guerra contra o nazismo, o diretor clássico usou conceitos que ainda não estavam completamente formalizados. Principalmente quando discute os valores da democracia, união e liberdade. Foi, inclusive, um dos principais motivos pelos quais ele foi forçado a voltar para a Inglaterra mais tarde. Alguns anos depois, Charles Chaplin era considerado um comunista nos Estados Unidos.

charlieDiscurso final chama as pessoas a se unirem em nome da democracia. Corajoso.

Em termos de roteiro, O Grande Ditador é uma negação. A estrutura serve mais a esquetes rápidas do diretor/ator/produtor/compositor/roteirista, que à história. Entretanto, todos servem à crítica proposta. Seja a icônica dança com o globo terrestre inflável (uma alusão a um suposto fascínio de Hitler em dominar a Terra e como ele a destrói ao fazê-lo) ou o longuíssimo discurso de Hynkel em língua estrangeira (zombaria aos discursos de ódio de Hitler e à língua alemã). Todos sem utilizar de texto escrito. Mesmo em sua primeira incursão no cinema falado, Chaplin fazia humor mudo.

A fotografia e a técnica de direção de Chaplin é bastante simples. Câmera captura o cenário falso por um ângulo único. Beira o teatro. O palácio de Hynkel é transitado por apenas um lado. A mesma coisa com o gueto onde os judeus vivem. Os palanques só são vistos de frente e por aí vai. Mesmo assim, a exploração de cenário nunca deixa de funcionar. Apesar de um dos lados nunca ser mostrado, a câmera viaja entre os aposentos e cria a sensação de espaço contínuo.

O humor pastelão é atemporal. Basta que Carlitos fuja de um míssil que rodopia ou dance após levar uma panelada para que a risada no auditório surgisse fácil. E a discussão após a sessão com uma cientista política permitiu notar que o tema do filme ainda chama a atenção dos espectadores e é relevante.

Para quem estiver curioso, a mostra Cine UniCEUB acontece no Bloco 1 da faculdade de Brasília, quinzenalmente às terças, a partir das 19h10. É aberto para o público, basta aparecer na faculdade para poder assistir. A próxima exibição será Star Wars – Episódio 4: Uma Nova Esperança, no dia 31 deste mês.

 

GERÔNIMOOOOO…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O Grande Ditador

  1. Pingback: Porquê Star Wars é tão popular | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s