O Resgate do Soldado Ryan

saving-private-ryan

De acordo com os boatos, o diretor Alain Resnais disse, ao descobrir que Spielberg faria um filme sobre a Segunda Guerra Mundial, que o holocauto finalmente seria industrializado. Resnais errou ao apontar que isso ocorreria com A Lista de Schindler. O filme problemático de verdade foi O Resgate do Soldado Ryan.

Esquadrão americano durante a Segunda Guerra Mundial participa da invasão da Normandia e recebe a missão de encontrar um paraquedista perdido na França chamado Ryan (Damon). Os três irmãos de Ryan morreram na guerra e ele tem que voltar para que a mãe não tenha perdido todos os filhos.

Absurdo? Sim, o filme sabe disso. O que não o impede de ser estúpido nesse sentido. Do começo ao final, o capitão do pelotão, Miller (Hanks) reflete sobre a loucura do que fazem. Aos poucos, os soldados do pelotão morrem em situações tensas por conta de um homem. Mas o ridículo da situação serve para refletir a mensagem que Spielberg quer passar.

Ei-lo. O grande problema de O Resgate do Soldado Ryan: Presunção.

O filme busca estabelecer as razões pelas quais a guerra é válida. Abre e termina com a bandeira americana. A história é contada através do flashback do próprio Ryan, que lembra daqueles oito homens mandados para salvá-lo. Ele quer acreditar que foi merecedor da sobrevivência por ter levado uma vida digna, americana, com uma família extensa e muitos netinhos loiros e de pele rosada.

Download-Saving-Private-Ryan-HD-MovieSoldado Upham. Personagem mais identificável e lógico é retratado como covarde.

Existem três tipos de filmes sobre a Guerra. Os que mostram o horror absurdo e desnecessário de enviar pessoas de boa vontade para a morte e a culpa do homicídio; Os que são acusatórios de governos e dos senhores das guerras; E os que a idolatram. Este último é o caso de O Resgate do Soldado Ryan.

O que o diretor Steven Spielberg e o roteirista Robert Rodat querem aqui é, basicamente, dizer que os sacrifícios de soldados nas guerras valem pelas vidas e pelos ideais americanos. Aqui representados como mães de casas do interior, professores de interior, famílias brancas e loiras e a liberdade defendida por Abraham Lincoln.

Não há como negar. Não fosse os americanos naquele conflito, o mundo atualmente seria um lugar muito pior, sexista, racista, xenófobo e homofóbico. Isso não justifica atos horrendos que eles protagonizaram durante e depois da Guerra. Mas aqui Spielberg diz que sim. E justamente por isso, O Resgate do Soldado Ryan é tão assustador.

Muito bem dirigido, bem fotografado, montado, sonorizado, trilhado e tudo o mais, o filme é a prova que qualidade técnica não é igual a um bom filme. Ainda conta com uma ironia interessante em relação ao elenco. Enquanto Tom Hanks já era o grande astro antes e depois, os coadjuvantes chamam a atenção depois de 18 anos.

Dos ótimos nomes relacionados, nenhum decolou ou conseguiu fazer sucesso. Mesmo com a presença de gente como Giovani Ribisi, Tom Sizemore, Barry Pepper, Adam Goldberg, Jeremy Davies, Matt Damon, Ted Danson, Paul Giamatti, Nathan Fillion e até o eterno Walter White, Bryan Cranston, quem fez mais sucesso foi o Vin Diesel. Todos, diga-se de passagem, estão bem no filme.

Captain-Miller-saving-private-ryan-1666972-852-480Hanks no único momento em que parece machão.

Hanks se esforça, mas interpreta um tipo de capitão durão que não condiz com a figura ou o porte dele. Nunca convence no papel principalmente porque é retratado, desde o começo, como um homem com uma tremedeira que é extremamente vulnerável.

O filme está no padrão O Nascimento de uma Nação. Exemplo de narrativa e linguagem cinematográfica, merece ser estudado pela realização técnica. Ao mesmo tempo em que deve ser repudiado pela mensagem perturbadora.

 

ALLONS-YYYYYY…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O Resgate do Soldado Ryan

  1. Adilson disse:

    Ah que comentário mais de esquerdinha. O filme é excelente e Matt Damon ganhou em 2015 O Globo de ouro e levou multidões com a franquia identidade Bourne.

    • Vina disse:

      Caro Adilson, você tem o direito de discordar da minha opinião, mas falta embasamento. Dizer que o filme é bom só porque você gosta dele não vai refutar todos os argumentos que eu apresentei. Não sou de esquerda, mas mesmo que eu fosse, não vejo como isso seria argumento contra o que escrevi no texto. Da mesma forma, o Matt Damon ter ganhado o Globo de Ouro por Perdido em Marte não tem nada a ver com O Resgate do Soldado Ryan, assim como ter ganhado o Oscar de melhor roteiro por Gênio Indomável não tem relação. Nem as multidões da trilogia Bourne têm relação com este filme. E se o problema é visão política, Bourne é bastante contrário ao retrato de O Resgate do Soldado Ryan.
      Peço que, por favor, fique calmo ao perceber que alguém tem opinião contrária à sua e pense antes de dar uma resposta sem sentido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s