Divertida Mente

Inside-Out_1000

A Pixar estava distante da inventividade antiga nesses últimos anos. Entre continuações questionáveis (Carros 2, Universidade Monstro) e filmes que não decolaram (Valente), não era lançado nada com a qualidade de coisas que já se tornaram clássicas, como Toy Story, Monstros S.A., Up e Wall-E. Felizmente, Divertida Mente chegou para corrigir isso.

Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojinho são os cinco sentimentos que vivem dentro da garota Riley Anderson. Alegria comanda o grupo para garantir a melhor qualidade de vida da menina. Um dia, porém, os pais de Riley mudam a família de cidade. No desespero para salvar a felicidade da garota, Alegria e Tristeza se perdem no labirinto de memórias de Riley junto com as cinco lembranças que definiram a personalidade dela. As duas precisam voltar para o centro de comando junto com as memórias antes que os sentimentos restantes causem estragos demais.

Enquanto o filme demonstra essa jornada dos dois sentimentos contrastantes, também brinca com diversas analogias complexas sobre a personalidade humana. Existe uma mensagem sobre os valores dos momentos bons e ruins nas vidas das pessoas. Ao mesmo tempo, o filme ainda precisa se sustentar como filme infantil, que garante diversão e prende a atenção das crianças.

thumbnail_20307Riley com os pais. Cérebros diferentes.

O roteiro segue a estrutura padrão de três atos. Um voice-over de Alegria explica o universo no começo. A aventura começa, desenvolve e chega ao clímax, no qual a protagonista toma uma decisão baseada no que aprendeu para resolver as crises. É na forma como determina o universo dentro dessa estrutura que o texto brilha. O jeito como a personalidade funciona é explicado com base em Riley, mas nos poucos momentos em que a trama mergulha na mente de pessoas adultas nota-se um funcionamento completamente diferente. Parece estranho ou errado, até que a mensagem final é passada. A personalidade de Riley é jovem e ela precisa amadurecer para que seu cérebro funcione como o de adultos.

Alegria sempre estranhou a presença de Tristeza. Se ela é tão boa para Riley, qual a razão para a contraparte existir? Ao se perder com ela, começa a compreensão. Os momentos bons da vida só são valiosos porque existem os momentos ruins. E esse é justamente o motivo pelo qual as pessoas se dão bem entre si. Porque são capazes de compreender o sofrimento alheio. Quem está feliz o tempo inteiro é sempre irritante ou incômodo. Para entender isso, Alegria e Tristeza se perdem em diversas metáforas inteligentes. O labirinto das memórias, o trem que segue a linha de pensamento, as caixas de fatos e opiniões cheias de elementos que se confundem, o abismo do esquecimento. Tudo distrai o adulto entre piadas sutis e pequenos pensamentos profundos.

INSIDE OUTAlegria e Tristeza aprendem juntas o valor de cada uma.

As crianças, por sua vez, não terão do que reclamar. Apesar de não serem capazes de compreender na totalidade todas as sutilezas e complexidades, elas entenderão os valores dos sentimentos na vida. E mais, os personagens coloridos, fofos e divertidos somados ao ritmo dinâmico e a diversas gags visuais devem deixar o filme divertido para menores.

Belíssima lição com pequenas complexidades e muito bom humor. Divertida Mente tem tudo para ser lembrado entre as grandes obras da Pixar. Emociona, diverte e é impecável na realização técnica. De ruim, fica apenas a péssima dublagem, que conta com uma sofrível Miá Mello como Alegria, com direito a berros e impropérios incompreensíveis.

 

FANTASTIC…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Divertida Mente

  1. ótimo filme e ótimo texto o seu 🙂

  2. Pingback: Grande Hotel Podcast – Divergente Mente | Aquela velha onda.

  3. Pingback: O Bom Dinossauro (The Good Dinosaur – 2015) | Aquela velha onda.

  4. Pingback: Grandes filmes de 2015 | Aquela velha onda.

  5. Pingback: O Menino e o Mundo (2013) | Aquela velha onda.

  6. Pingback: Trolls (2016) | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s