Connected: An Autoblogography About Love, Death & Technology

connected_poster_tc

O título original, que não ganhou contraparte oficial no Brasil, explica relativamente bem o que é este filme. Uma autoblogografia sobre amor, morte e tecnologia. A moça na foto acima, Tiffany Shlain, fez uma autobiografia em formato de blog que discute as conexões entre as pessoas relacionadas a amor, morte e tecnologia.

Tiffany Shlain tem uma epifania ao perceber, quando o voo dela está próximo de pousar, que está desesperada para verificar o celular. A partir deste raciocínio, faz um resumo da história da civilização ocidental com a tecnologia em paralelo aos meses em que o pai viveu com câncer no cérebro e à gravidez do segundo filho.

A ideia é interessante. À medida em que se compreende melhor como as conexões humanas se fundaram, se compreende a frustração de ver o pai de Tiffany enquanto ele perde a capacidade de se comunicar. A gravidez toma parte porque um dos desejos do pai é ver o neto antes de morrer.

A filmografia de Shlain é feita de curtas, seja documentário ou ficção, e ela trabalhou muito com linguagem de internet, como explica ao falar sobre como empreendeu na área durante o filme. Usa essa linguagem para o filme. É onde o termo autoblogografia entra. Connected é um filme de 70 minutos em forma de videocast. Com Shlain em diálogo com a câmera enquanto muitas imagens e vídeos são montados em cima para ilustrar o discurso.

Este estilo, infelizmente, não dialoga bem com um longa-metragem. Depois de vinte minutos, tempo que vídeos do estilo no youtube tendem a chegar no máximo, cansa. Não tem pausa, ritmo ou respiro. A fala começa e vai até o fim. Por mais que todas as coisas ditas sejam interessantes, eventualmente o espectador perde a atenção e, junto com isso, informações.

A conclusão à qual Shlain chega ao final do filme é muito interessante e o processo para chegar a ela é coerente. Faltou uma condução melhor. Ainda é um documentário curioso que merece ser visto. Talvez em doses menores, de preferência em partes de dez ou vinte minutos de duração.

 

GERÔNIMOOOOOO…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s