A Travessia (The Walk – 2015)

valka

Phillipe Petit (Joseph Gordon-Levitt) é um equilibrista performático francês que tem como sonho cruzar o vão entre as duas torres do complexo World Trade Center em um cabo de aço. Próximo a finalização das construções em 1974, ele prepara detalhadamente a engenharia para esticar a corda com o mentor Papa Rudy (Ben Kingsley) e parte para Nova Iorque com a namorada Annie (Charlotte Le Bon) para começar os arranjos.

Adaptação do livro escrito pelo próprio Petit após os eventos reais, A Travessia é um filme sobre sonhos, obsessão e epifania. Para quem não assistiu ao filme e não tem conhecimento sobre a arte do equilibrismo e as ambições artísticas, a façanha do francês pode parecer piada, loucura ou burrice. O próprio admite durante o filme quando sobe pela primeira vez em uma das torres e toma noção da altura e da complexidade estrutural. “É preciso ser louco para fazer isso”, ele diz antes de decidir se tornar insano o suficiente para tentar. O filme é sobre isso, o que leva um homem a tentar algo do tipo e o tipo de satisfação adquirida.

Não a toa, o roteiro de Zemeckis com o novato Christopher Browne abre justamente com a explicação de Petit para a câmera. Para ele, morrer é uma palavra proibida no momento de uma apresentação. Ele nunca usa o clichê de que o faz para viver, mas o jargão vem à mente com facilidade. O filme abre com a discussão que será o tema central da produção. O que é realizar um sonho de tal magnitude e o que se sente quando o faz?

O recurso narrativo mais curioso utilizado no filme é uma narrativa em voice-over do Petit, que conta a história. Mas, ao invés de apenas ter a voz no background, ele aparece diante da tela e fala enquanto olha diretamente para a câmera. Na tocha da Estátua da Liberdade, ele conta o filme com o World Trade Center logo atrás. Tudo obviamente feito com um cenário construído diante de um fundo verde. A câmera sai do topo da Estátua até o meio de Wall Street (onde as torres se encontravam) e retorna para a ilha da Liberdade em planos sequências. Este é o tom e o ritmo do filme.

the-walk02Petit fala sobre a arte do equilibrismo para a namorada Annie.

O filme começa com a descoberta da construção das torres em Nova Iorque, depois retorna para a infância de Petit, quando ele se apaixonou pela corda bamba. Daí faz saltos entre os anos até o momento do golpe, como ele descreve a travessia entre as torres. Tudo em uma cadência que lembra um fluxo de raciocínio. Algo no final de uma cena lembra a Petit de algo do início da próxima. Isso cria uma fluidez envolvente e divertida. Principalmente porque o artista vê tudo com um olhar leve.

A grande problemática para o sonho de Petit surge quando começam os arranjos para pendurar um cabo entre os 42,5 metros de vão entre as construções. Subir os 110 andares de uma das torres com uma equipe. O outro com mais companheiros. Passar pela segurança. Subir os pesados equipamentos (lembre que são mais de 43 metros de cabos de aço). Garantir que a corda não vai arrebentar e aguentar o peso dele naquela altura, mesmo com dois prédios enormes constantemente em movimento com o vento, a pressão e a envergadura. É um processo complexo de engenharia para um homem ficar pendurado numa corda. A cada passo surge um desafio maior e mais estranho que o anterior e a obsessão de Petit aumenta para aguentar a pressão do desafio.

É preciso destacar a filmagem do momento em que ele finalmente fica em pé na corda e começa a se afastar de uma das torres para o vazio. Na vida real, foram 45 minutos afastado de uma estrutura com apoio total, no filme duram aproximadamente 15. E são 15 minutos de apreensão. Zemeckis filmou em IMAX 3D de propósito. Se não bastasse a altura daqueles prédios, o design de linhas retas da base até o topo cria uma noção de vertigem absurda. Com os visuais tridimensionais, a sensação de que se está realmente no topo é a mais próxima possível da de subir no verdadeiro World Trade Center.

TheWalkBannerO design das torres já cria vertigem. O 3D auxilia muito.

Então, à medida em que Petit descreve os sentimentos e Levitt os interpreta naquele efeito verossimilhante, fica cada vez mais claro o que foi a conquista do equilibrista. Não era um desafio à morte ou uma busca por sensações de limite. A forma como Petit se comunica com os prédios e os sente através da corda é impressionante.

Justamente por isso, é preciso dar o mérito para Levitt. Ele aprendeu francês para conseguir acertar o sotaque com precisão, teve aulas com o próprio Petit sobre cordas bambas para capturar a técnica e faz uma construção minuciosa da personalidade do personagem. Quando ele sente a satisfação da apresentação bem feita, é possível sentir através do ator. Do resto do elenco os destaques são Charlotte Le Bon, que faz um lado equilibrado da vida do artista. A namorada é quase como uma consciência fora do corpo. Ela vê os nervosismos e problemas pelos quais ele passa e faz com que ele os confronte. Ben Kingsley está ótimo, mas infelizmente aparece pouco.

A Travessia se encontra num gostoso lugar em que não corresponde completamente a nenhum gênero. É a desconstrução de um ato difícil de compreender. E como torna todas as etapas, desafios e conquistas claros, torna-se um triunfo. Também é uma bela homenagem à obra de engenharia que era o World Trade Center. As cenas no topo das torres merecem entrar para os anais da história do cinema. Porém, fica a necessidade de sugerir àqueles que sofrem de vertigem a não assistir ao filme. Não ficaria surpreso se pessoas passarem mal no cinema.

 

FANTASTIC…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Travessia (The Walk – 2015)

  1. Pingback: Grandes filmes de 2015 | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s