A Colina Escarlate (Crimson Peak – 2015)

crimson-peak-review-pic.jpg?w=720&cdnnode=1

Edith Cushing (Mia Wasikowska) é uma mulher jovem da aristocracia americana na transição da era vitoriana para a industrial. Os irmãos ingleses Thomas (Tom Hiddleston) e Lucille (Jessica Chastain) Sharpe aparecem na cidade em busca de investimento para uma invenção dele. Edith e Tom se apaixonam, mas um mistério no passado dos irmãos se prova um obstáculo para o amor dos dois.

Apesar do que o marketing da produção buscou vender, Colina Escarlate não é um filme de horror. Existem fantasmas na trama e duas ou três cenas assustadoras, mas trata-se de um mistério com pitadas sobrenaturais. O foco maior é a reconstrução da época vitoriana, com direito a homenagens de todos os tipos a romances vitorianos como nos livros da Jane Austen ou Emily Brontë.

O roteiro do Guillermo del Toro com o parceiro antigo, Matthew Robbins, conta com uma linguagem rebuscada, que funciona muito bem. As falas não são complicadas demais a ponto de serem incompreensíveis (como na série Penny Dreadful, que pega pesado no lirismo), mas ainda soam poéticas devido ao período. A trama também cria momentos perturbadores que crescem constantemente em escala. O problema é que é tudo previsível. Com uma hora de duração aproximada, o espectador já sabe quase todas as peças importantes do mistério.

crimson-peak-tom-hiddleston-3-1500x844Tom Hiddleston apresenta a Colina Escarlate, mansão que dá nome ao filme.

Ainda assim, a condução do mistério é envolvente, a personagem Edith é simpática e o público se importa com ela. Em grande parte porque o texto é bom. O caráter dela é definido em uma cena com um diálogo no qual ela explica o significado de uma palavra específica. É exposição que não trata o espectador como burro e ainda demonstra quem a ótima personagem é.

Del Toro trabalha o filme através de ambientação. Por mais que a trama não seja de terror, o clima sombrio e opressor dão uma sensação intimidadora. Entre os enquadramentos inteligentes que não escondem as coisas nas sombras, mas criam a impressão de mau agouro, entram a expressividade da arte e da fotografia. Com direito aos usos do verde e do vermelho para representar o mau.

Antes de partir para a Inglaterra, o Vermelho ilumina os cenários para indicar o perigo e a morte. O verde acompanha como contraluz. É quando chega na tal Colina Escarlate que as cores se revelam parte dos cenários. A mansão gótica com ângulos vertiginosos parece gritar perigo e horror no interior. E é justamente o que Edith encontra lá dentro.

crimson-peak-jessica-chastain-screengrab-0001-2Jessica Chastain. Perturbadora e intimidadora.

Del Toro faz cenas de assassinato viscerais, com direito ao uso de efeitos especiais para mostrar visualmente o rosto de uma pessoa se desfazendo contra uma pia. A violência não é estilizada, mas agoniante justamente por ser tão clara e mostrada diante da câmera. A trilha sonora brinca com os estilos vitorianos misturados aos tons sobrenaturais. O gótico combina bem com a estética.

A Mia Wasikowska é ótima como sempre, mas parece desconfortável em algumas cenas. Ela é a razão para que a cena de sexo, que é importante para a história, pareça falsa. Tom Hiddleston equilibra bem a imagem de um homem empático com um passado obscuro e cheio de culpa. Mas é a Jessica Chastain quem brilha como a irmã bizarra e perturbadora. Existe uma insanidade por trás do olhar dela que causa medo. Ainda tem uma participação divertida do Charlie Hunnam como um interesse romântico passado de Edith.

A Colina Escarlate é um filme de estilo. O mistério em si não dá conta de manter a atenção, mas a direção do Guillermo del Toro nunca deixa de sustentar o interesse. Com o grande elenco e uma beleza estética extraordinária, o filme funciona bem. Só é preciso ter a noção de que não é um filme de terror, para não se decepcionar.

 

GERÔNIMOOOOOOO…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s