Os Oito Odiados (The Hateful Eight – 2015)

Poster bonito

Filmes do diretor e roteirista Quentin Tarantino possuem uma problemática. A fama do realizador. Quando as pessoas vão para o cinema ver o novo Tarantino, elas já têm algumas expectativas específicas. O sangue, a violência, os diálogos divertidos, as referências aos filmes de faroeste italianos, aos filmes exploitation, os movimentos de câmera elaborados. Por conta disso, pouca gente se permite compreender quando ele tenta se reinventar, como ele faz neste Os Oito Odiados.

O caçador de recompensa John Ruth (Kurt Russell) leva a assassina Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh), cuja cabeça vale dez mil dólares, para ser enforcada. No caminho, é forçado a parar em uma cabana para esperar pela passagem de uma nevasca. O tempo terá de ser passado junto com outras seis pessoas, que Ruth compreende rapidamente que podem tanto querer roubar a recompensa de Daisy, como ser parte do bando dela.

Desde Jackie Brown, terceiro filme de Tarantino, o diretor passou a fazer brincadeiras com gêneros dos quais ele é fã. Kill Bill é uma mistura de western com filmes de kung-fu. Bastardos Inglórios é um filme de guerra filmado com estilo de faroeste spaghetti. Django Livre é um filme de exploitation ambientado no velho oeste. Os Oito Odiados é uma grande homenagem para O Enigma de Outro Mundo, na roupagem do filme anterior do diretor.

Isso se dá em diversos níveis. Começa com a ambientação. Um grupo de pessoas em um local fechado enquanto o frio extremo e a neve os prende lá dentro. Não se sabe quantos deles ou quem é confiável. A pessoa que tenta desvendar os infiltrados é o Kurt Russell. Pode parecer coincidência, mas é o tipo de brincadeira que Tarantino gosta de fazer. O que é pista suficiente para notar que Os Oito Odiados está mais para um filme de terror que para um faroeste.

Samuel Jackson e Kurt RussellJohn Ruth encontra um dos odiados dos quais passará a suspeitar.

Alguns takes são longos, com a câmera estática. Na maioria das vezes dois personagens ocupam a tela. Com muita frequência, a música do Ennio Morricone assume tom de horror. A sensação de que algo horripilante vai acontecer a qualquer momento é uma constante. Como se um dos verdadeiros vilões da obra venha a se revelar no próximo frame. É uma tensão que aflige como poucos filmes de terror conseguem criar.

O que atrapalha esse desenvolvimento, porém, é parte do estilo comum de Tarantino. Os longos diálogos somados a uma introdução comprida fazem com que o primeiro ato de Os Oitos Odiados seja maior do que realmente precisa ser. Um filme de duas horas e 50 que só começa a avançar a trama principal com mais de 60 minutos de duração é um filme com coisas que poderiam ser cortadas. Felizmente, quando a parte de terror começa, o ritmo pega e o filme finalmente se mostra a que veio.

O roteiro faz um bom trabalho com as interações entre os personagens. O título do filme é significativo. No original, Hateful Eights, são oito odiáveis. O que é um fato. Entre racistas, assassinos e idiotas grosseiros, todos escondem segredos e minúsculas relações entre si. Ninguém é realmente confiável e todos são pessoas terríveis. É onde Tarantino apresenta a possível lógica final da trama. Por pior que uma pessoa realmente seja, existe um tipo de maldade superior, algo que faz com ódios antigos sejam esquecidos, com que pessoas maldosas se arrepiem de medo.

Jennifer Jason LeighJennifer Jason Leigh. Atriz rouba a cena.

Daí a importância de um elenco tão bom. A Jennifer Jason Leigh talvez tenha a personagem com menos falas, mas ainda é uma das que mais dominam o filme. A forma como demonstra satisfação com o sofrimento alheio é doentia e bem realizada. Samuel L. Jackson tem um personagem inteligente que também revela sadismo, mas apenas contra certos tipos de pessoas e inimigos. Kurt Russell brinca com uma mistura de trejeitos dos personagens brucutus que interpretou para o John Carpenter (diretor de Enigma de Outro Mundo). O Tim Roth parece se divertir com trejeitos femininos em um assassino elegante. O Bruce Dern e o Michael Madsen não conseguem se destacar, mas estão bem. Há uma participação divertida, rápida e inesperadamente vulnerável da Zoë Bell, figura cativa na obra de Tarantino. Outra boa surpresa é como o ótimo ator Walton Goggins, normalmente coadjuvante, ganha aos poucos um dos papéis principais do filme.

Um dos trabalhos de Tarantino que ele mesmo reconhece como mais literário. Não tem visual muito estilizado, mas ainda se permite brincar com estética e estilos. Principalmente com as boas sacadas tiradas do gênero de horror, pouco referenciado pelo diretor até agora. Para alguém fã de O Enigma de Outro Mundo, é um deleite.

P.S.: O filme usa mais de uma vez a música Bestiality, que Ennio Morricone compôs para O Enigma de Outro Mundo, mas que John Carpenter não colocou no corte final. Apenas mais uma pista interessante das referências para Os Oito Odiados. Escute a música ao clicar no play abaixo.

ALLONS-YYYYYYYY…

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Os Oito Odiados (The Hateful Eight – 2015)

  1. Pingback: Grandes filmes de 2016 | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s