Pets: A Vida Secreta dos Bichos (The Secret Life of Pets – 2016)

 

os animais admiram Nova Iorque.jpg

Desde o anúncio de Pets: A Vida Secreta dos Bichos, houve uma expectativa em razão da produtora do filme, A Illumination Entertainment. O estúdio ficou famoso pela franquia Meu Malvado Favorito. Pessoas já queriam mais do estilo que equilibra fofura e humor em cima de quebra de paradigmas e de estereótipos.

Ao invés de focar em vilões, desta vez a trama é sobre um universo supostamente secreto dos animais domésticos quando estão afastados dos donos. O cachorro Max (Louis C. K.) é ama a humana que cuida dele e se vê incomodado quando descobre que ela resgatou outro cão da rua, o grande e peludo Duke (Eric Stonestreet). Numa briga, os dois se perdem de casa e irritam uma gangue de bichos que vivem no esgoto. Em paralelo, os amigos de Max, liderados pela poodle Gidget (Jenny Slate), partem em busca deles pela cidade.

Não é difícil perceber quais os filmes que a Illumination está imitando. O ser querido encontra concorrência no recém-chegado. Quando brigam, se perdem da dona e aprendem a conviver como amigos pelo valor do amor do cuidador (Toy Story). Grupo de amigos sai da zona de conforto para ir resgatá-los e precisam atravessar o mundo urbano para o qual não foram feitos (Toy Story 2). Tudo calcado no humor de gags visuais e sacadas com o universo da história.

jake-descobre-que-vai-compartilhar-a-casa-com-duke

Max, Duke e Katie. Versões da Illumination de Woody, Buzz e Andy.

Imitação por si só não é um problema, mas é preciso ter em conta que a comparação se torna necessária. Se o filme copia descaradamente as tramas de duas das melhores animações do melhor estúdio no ramo, ele deveria estar no mesmo nível de qualidade. Mas Pets tem o mesmo defeito que incomoda em Meu Malvado Favorito. O roteiro preguiçoso não se dá ao trabalho de contar a história.

Para apresentar o contexto de Max com a dona, Katie (Ellie Kemper), uma narração em off acompanha a vida dos dois. Em poucos minutos, descobre-se um bocado sobre a vida dos dois que não é importante. O primeiro ato apresenta a rotina dos personagens, e eles também por consequência, para que a ameaça Duke entre em cena. Os dois não se dão bem e se perdem num piscar de olhos. Tudo o que acontece em seguida é um aglomerado de cenas cômicas que não têm muita conexão e nem avançam a trama. As pontas são amarradas de forma ilógica no final e pronto, o filme acaba com história apenas para quinze minutos.

O humor em si funciona muito bem, mas desgasta rápido. Principalmente quando os personagens não possuem profundidade. Os poucos que se salvam são Max, Duke e Gidget. O resto do grupo, que conta com três cachorros, um gato, um periquito, um porquinho-da-índia e um gavião, está lá para uma ou outra piada pontuais. Nenhum é interessante, acrescenta ou faz com que o filme avance.

coelho-com-chave-de-cenoura

Bola de Neve. Pior coisa de um filme ruim. Efeito do comediante Kevin Hart.

O pior de todos é o vilão, o coelho Bola de Neve, que espelha perfeitamente o humor do comediante Kevin Hart. O humorista é como os piores do Brasil, que acham que a piada é mais engraçada porque foi gritada histericamente. Faz com que o personagem seja tão chato e incômodo quanto ele mesmo é.

Por outro lado, a qualidade técnica é impecável. Objetos, seres vivos, líquidos e tecidos parecem existir. Não fossem cartunescos, pareceriam reais. A caracterização dos animais também impressiona. Os animadores enriquecem os sentimentos dos personagens com pequenas nuances de comportamento dos bichos. Seja movimentos de orelhas e rabos discretos, seja com um gato no fundo de uma cena que não consegue não brincar com uma bola pequena.

O resultado é semelhante aos dois Meu Malvado Favorito. Trama mal escrita, personagens sem profundidade, relações sem contextos. O humor funciona pontualmente, mas cansa. A sensação é que se trata de uma comédia vazia tanto de humor quanto de história.

P.S.: O 3D é uma das melhores coisas do filme, o que normalmente não é uma boa referência para uma produção.

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Pets: A Vida Secreta dos Bichos (The Secret Life of Pets – 2016)

  1. Pingback: Filmes divertidos de 2016 | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s