Amor e compromisso na transformação social por meio do aprendizado (Nenhum a Menos – 1999)

Por Zilta Marinho professora-de-13-anos-a-frente-da-turma

Em Nenhum a Menos, filme chinês dirigido por Zhang Yimou e vencedor do festival de Veneza de melhor filme em 1999, Wei Minzhi, uma menina de 13 anos, é a única pessoa disponível para substituir o professor Gao, que entra de licença. Numa escola precária do interior da China, ela recebe uma missão: não perder nenhum aluno durante esse período. Trata-se de uma realidade também comum no Brasil. Dois países tão distantes e tão próximos ao mesmo tempo.

A narrativa aborda problemas de qualquer sala de aula em nosso país, como a precariedade de instalações e recursos, classes multiseriadas e alunos desatentos, sem apelar para clichês. Uma aluna é descoberta como atleta e segue para um centro de treinamento. Pouco depois, um dos garotos vai à cidade grande buscar trabalho e ajudar a mãe doente. Determinada a cumprir a meta de manter todos na escola, a menina/professora traça planos para que ele volte.

O que era um problema se transforma num projeto coletivo e, entre risos tímidos e canções patrióticas, a turma passa a estudar matemática e chinês em busca das melhores estratégias para conseguir recursos, localizar e trazer o colega de volta à escola.

Com cenários e figurinos simples, o filme encanta e emociona, ao mostrar que a determinação é um dos diferenciais dos empreendedores. Da pequena aldeia de Shuiquan, onde o professor Gao contava os pedaços de giz para conseguir escrever no quadro todos os dias, a tímida Wei Minzhi parte para a cidade grande.

menino-esforcado-foge-para-trabalhar

O menino que foge para trabalhar.

Os tons terrosos das imagens iniciais são substituídos pelo colorido de cartazes, luzes, lugares e trajes urbanos. Em um percurso que transita entre a indiferença, a necessidade, a solidão e o abandono, a professora encontra solidariedade.

As caixas com giz colorido doadas por moradores da cidade grande são abertas com cuidado pelas crianças, e representam a chegada da abundância à precária escola. Contentes, estudantes reconhecem o esforço de Wei Minzhi, e logo passam a escrever no quadro palavras que julgam importantes para demonstrar progresso e felicidade.

Com artistas amadores, falas simples e cenários realistas, Nenhum a Menos emociona por meio da inocência expressa nos gestos dos personagens. A maneira criativa como os temas são abordados prende a atenção do espectador.

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s