A Princesa e o Sapo (The Princess and the Frog – 2009)

Tiana beija o sapo.jpeg

Desde 1995, quando Toy Story reinventou o mercado de animações cinematográficas como a primeira em computação gráfica, tornou-se cada vez mais difícil ver um desenho animado feito a mão nos cinemas. Infelizmente, este A Princesa e o Sapo será sempre lembrado como o último com a técnica dos estúdios Walt Disney, um dos grandes produtores do estilo. Uma pena porque poderia ser lembrado como muito mais.

Em especial porque é um dos poucos contos de fadas da Disney que se passam em tempos atuais, na Nova Orleans, e é o primeiro com uma princesa negra, a Tiana (Anika Noni Rose). Ela é uma cozinheira habilidosa que sonha em abrir o próprio restaurante e trabalha como garçonete para juntar o dinheiro. Conhece um sapo que diz ser o príncipe Naveen (Bruno Campos) e que precisa de um beijo para voltar a ser humano. Como Tiana não é princesa, o feitiço tem efeito reverso e ela se torna um anfíbio.

A sinopse já revela inúmeras reinvenções neste filme. Desde o fato de que a protagonista não é uma princesa indefesa, passando pela escolha de Nova Orleans em tempos próximos ao furacão que quase destruiu a cidade, até a inversão de expectativas narrativas, como o beijo que resolve todos os problemas.

Tantas inversões, porém, ficam perdidas quando o filme chega ao segundo ato. Se o conflito é muito bem definido e cheio de significados, como Tiana ser uma mulher que cuida de si mesma ou Nova Orleans ser uma cidade estadunidense com grande população negra e com características das culturas religiosas africanas (e ser uma região pantanosa para uma história com sapos ajuda também), parece que os roteiristas não sabiam o que fazer durante a parte de aventura da trama.

o casal principal como sapos

Naveen e Tiana transformados em sapos. Romance que não convence.

Escrito a seis mãos pelos diretores John Musker e Ron Clements (veteranos da Disney que fizeram Aladdin, A Pequena Sereia, Hércules e até o recente Moana) junto com Rob Edwards, o roteiro do filme sabe onde quer chegar, mas não como. É óbvio que Tiana e Naveen terão um romance que vai resolver os problemas de ambos, mas os diálogos dos dois nunca convence que eles são compatíveis.

Ela é focada em trabalhar para conseguir as coisas e ele busca se divertir a todo custo. E o jeito de ambos os irrita mutuamente. Então, como nos romances mais mal escritos, eles resolvem que se amam. Enquanto toda trama no pântano poderia trabalhar isso melhor, o filme se perde entre momentos de humor visual. Comédia por si só não é ruim, é o fato de que a trama está mais focada em ser divertida do que em contar a história que causa problema.

Ainda mais quando o roteiro apresenta personagens coadjuvantes com mais da metade da duração, como o vaga-lume Ray (Jim Cummings), que aparece na produção por menos de meia hora.

o crocodilo conversa com os sapos no pântano

Coadjuvantes são apresentados quando a trama do filme já se desenvolveu.

Por outro lado, o filme é repleto de qualidades. Além da protagonista inteligente e forte que nunca chega a realmente precisar da ajuda de Naveen, ou dos contextos quase políticos de Nova Orleans, há o vilão Dr. Facilier (Keith David), que é realmente ameaçador por ser um feiticeiro poderoso. Ele conta com uma divertida interação visual com a própria sombra, que é capaz de controlar os inimigos e entretêm ao mesmo tempo.

Também é preciso dar destaque à qualidade técnica do filme. Repleto de elementos computadorizados que criam noção de profundidade às cenas, nunca é possível dizer o que é desenhado a mão ou feito em computador. O resultado é um desenho animado em que as cenas, os cenários e as movimentações parecem reais.

A Princesa e o Sapo é um filme relevante, que já indicava o caminho politizado que as obras da Disney seguiriam nos anos seguintes. Apesar de alguns problemas narrativos, ainda impressiona pela qualidade técnica e pelos temas que se permite discutir.

Sobre Vina

Publicitário frustrado, editor, cinegrafista, assistente e sonhador. Cinema é algo que não se entende completamente. Sempre se estuda.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Princesa e o Sapo (The Princess and the Frog – 2009)

  1. Pingback: Aladdin (1992) | Aquela velha onda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s