O Dia Do Atentado (Patriots Day – 2017)

policial na maratona de Boston

Em 2013 dois irmãos ligados a grupos terroristas escolheram o Dia do Patriota, feriado norte-americano em que acontece a tradicional Maratona de Boston, para cometer o ataque que ficaria marcado na história da cidade como um momento traumático e divisor de águas.

Baseado nos relatos oficiais que contam o que aconteceu em Boston tanto no dia da maratona como também na semana que se seguiu ao ataque – enquanto as autoridades se reuniam para tentar identificar e apreender os responsáveis – Mark Wahlberg (Os Infiltrados, de 2006) e grande elenco vivem personagens da vida real: pessoas que tiveram papéis decisivos no desenrolar da história.

Com roteiro de Peter Berg, que também é o diretor, Matt Cook e Joshua Zetumer, o filme é bem dividido em vários núcleos, que acompanham o que acontecia com cada “personagem”, enquanto aprendemos sobre o papel de cada um na tragédia. Alguns retratados como heróis, outros como vítimas e até mesmo os “vilões”: todos ganham nuances muito realistas que conseguem emocionar e aguçar a empatia.

político com medo

Kevin Bacon é um dos atores que engrandecem o elenco.

No quesito filmagem, o longa deixa um gostinho de documentário durante a maior parte de seus 120 minutos, ainda que a parte dramática seja exagerada para efeito de conclusão nos últimos momentos do filme. Wahlberg entrega um grande discurso sobre como a cidade direcionou todos os seus esforços para ajudar as autoridades a prender os terroristas e o fizeram porque o amor supera o medo. Havendo verdade ou não nas belas palavras que arrematam os acontecimentos, para nós que não compartilhamos do patriotismo norte-americano a tendência é sentir que o momento é piegas, desnecessário e quebra o apoio na realidade dos depoimentos sobre os quais os personagens foram escritos  e construídos – e que com certeza não contavam com os embelezamentos hollywoodianos.

No belo elenco composto por Kevin Bacon, John Goodman, J.K. Simmons, Michelle Monaghan e Alex Wolff, não há grandes destaques. Com exceção de Wahlberg, ninguém ganha tempo de tela o suficiente para desenvolver o personagem, e o suspense natural gerado pela situação corrobora para que todo o desenvolvimento emocional da trama se baseie de fato no que acontece no todo, e não em momentos particulares de um personagem ou outro.

JK Simmons como policial veterano

J.K. Simmons é mais um do grande elenco sem tempo de desenvolvimento de personagem.

Não há destaque para fotografia ou trilha sonora. A direção de Berg – O Grande Herói (2013) e Hancock (2008) – convence por exprimir, com cenas curtas e dilaceradas, a dor e ansiedade pela qual passou toda uma cidade tomada refém pelo medo de possíveis ataques subsequentes aos da maratona, que felizmente não se repetiram.

O filme emociona, traz à tona lágrimas de pura solidariedade para com uma realidade distante para nós, porém humana e dolorosamente contemporânea. Não há grandes momentos, e não se tira dali nenhuma grande lição. Mas se prepare para sentir muito.

Sobre Ana Luiza Medeiros

Escritora e romancista, Ana Luiza Medeiros escreve romances cômicos, disponíveis na Amazon.com.br e em seu site analuizamedeiros.com, e crítica de cinema para o site especializado VelhaOnda.com.
Esse post foi publicado em Filmes e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s